Vivemos em um mundo de trabalho flexível. Um estudo da Microsoft com mais de 30 mil colaboradores em 31 países concluiu que “a flexibilidade absoluta e o trabalho híbrido definirão o local de trabalho depois da pandemia”. No entanto, essa flexibilidade traz novos desafios, como várias horas na frente do computador e dias longos entre tarefas no computador e reuniões virtuais. Todo esse tempo na frente da tela é um risco para a forma física dos colaboradores, que se esforçam para encontrar tempo para se manterem fisicamente ativos — seja fazendo uma corrida curta, uma sequência rápida de ioga ou exercícios com pesos. 

Não há dúvida de que melhorar a saúde e o bem-estar dos colaboradores aumentará o desempenho e a produtividade final deles — e que os problemas de bem-estar deles podem afetar a receita da empresa. Agora que mais colaboradores trabalham remotamente e mais dias da semana, as empresas tem o desafio de incentivá-los a encontrar tempo para se levantarem da cadeira e se afastarem da tela. Mas como? Afinal de contas, quase 45% dos profissionais que fizeram a transição para o trabalho remoto dizem que estão trabalhando mais do que antes.

Aproveite os 10 minutos entre as reuniões para melhorar a forma física dos colaboradores 

Nesta época de incertezas e desafios, a forma física pode ter um impacto positivo na capacidade dos colaboradores de atenderem à nova demanda das empresas por resiliência e agilidade. A boa notícia é que dá para encaixar os exercícios físicos nos 10 minutos entre uma reunião e outra no ritmo do trabalho remoto.

De acordo com a Blink Fitness, treinos mais longos nem sempre trazem melhores resultados. Na verdade, o segredo para tirar o máximo proveito de curtos períodos de exercício é, como acontece com tantas coisas na vida, trabalhar de forma mais inteligente (e às vezes mais intensa), mas não necessariamente por mais tempo.  

Os treinos de 7 minutos do Fizzup, por exemplo, usam treinamento intervalado de alta intensidade (HIIT) — 12 exercícios realizados por 30 segundos cada, com 10 segundos de descanso entre cada exercício. Esses exercícios permitem que os colaboradores se alternem facilmente entre o treinamento de força (usando o peso corporal) e os exercícios cardiovasculares em casa.

Os benefícios físicos dos treinos de 10 minutos ou menos

Treinos mais curtos e frequentes podem ajudar os colaboradores a manter seus níveis de energia, restaurar a energia perdida e aumentar a confiança, além de atingir suas metas de condicionamento físico.

A Sworkit, uma plataforma que oferece uma ampla gama de treinamentos e exercícios online, diz que encontrar novas maneiras de adicionar intervalos de exercícios ao longo do dia pode fortalecer os ossos e os músculos. Os minitreinos frequentes são uma estratégia que os oficiais da Marinha usam há anos: ajustar o cronômetro do relógio para lembrá-los de fazer uma ou duas séries de exercícios a cada hora.

Os benefícios mentais de exercícios mais curtos e intermitentes

As pausas de bem-estar de 10 minutos podem reduzir o estresse, a sensação de isolamento e outros impactos negativos na saúde mental, causados por longos períodos de trabalho na frente do monitor. Ainda melhor: os exercícios curtos e regulares podem cortar os sintomas do estresse na raiz.

A conclusão é que os colaboradores não precisam passar várias horas na academia para ter um bom condicionamento físico. Esses exercícios de 10 minutos, ou os exemplos de minitreinos, se mostraram eficazes para ganhar músculos, aumentar o metabolismo e perder peso. E um melhor condicionamento físico resulta em maior comprometimento, maior produtividade, menos faltas e melhores resultados.