As vantagens e desvantagens entre academia interna, desconto em estabelecimentos ou benefício de atividade física para seus colaboradores

Os profissionais de RH sabem que quando a empresa oferece qualidade de vida aos funcionários, todo mundo ganha. Pessoas saudáveis tendem a ser mais produtivas e engajadas no alcance de objetivos pessoais e profissionais. Com isso, o retorno para o negócio é notável, sendo possível atingir melhores resultados. Pensando nisso, o incentivo à qualidade de vida tem se tornado um recurso importante nas organizações. 

Quase 70% das corporações na América Latina têm um orçamento dedicado para ao bem-estar dos trabalhadores, como indica um recente estudo realizado mundialmente pela consultoria Mercer. Quanto se trata dos programas de saúde, 72% das empresas na região focam em atividades físicas. Os exercícios vêm antes até dos exames médicos (62%) e da preocupação com nutrição (65%) dos trabalhadores.

De acordo com a pesquisa da Mercer, entre as companhias que oferecem os benefícios de atividade física, cerca de um terço opta dar aos funcionários um desconto em academias e 33% escolhem abrir um espaço interno para o pessoal se movimentar. Mas será que essas são as melhores opções?

Funcionários e tendências de bem-estar
Estudo da Mercer em parceria com o Gympass (Janeiro 2019)

Menu de opções

Na hora de decidir qual a forma mais eficiente de incentivar os funcionários a sair do sedentarismo, o profissional de RH pode se perguntar o que fazer: academia interna, parceria com um estabelecimento ou um benefício de academia?

Cada modalidade tem vantagens e desvantagens – e, como tudo que envolve gestão de de pessoas, a melhor opção depende do perfil da organização. Para uma escolha acertada, veja a seguir alguns pontos importantes de cada uma dessas alternativas

Academia interna

Uma opção é construir uma academia dentro do ambiente corporativo. Segundo a pesquisa da Mercer, as academias no local de trabalho são o segundo tipo de benefício de atividade física mais concedido pelas empresas, ficando atrás apenas de descontos nas redes ou numa unidade. Os principais pontos positivos da academia in loco são:

Conveniência. Uma academia no mesmo local de trabalho representa uma facilidade para o trabalhador, que não perderá tempo com deslocamentos. Isso pode ser um incentivo para os colaboradores criarem o hábito de se exercitar, reduzindo as faltas na ginástica e, no fim, tornando os funcionários mais produtivos.

Retenção de talentos. Uma academia interna pode servir como uma boa ferramenta para reter talentos e diminuir o turnover, já que esse benefício gera uma boa percepção de valor por parte dos funcionários.

Integração entre a equipe. A academia é um espaço onde os colaboradores podem interagir e fortalecer vínculos. Isso ajuda a criar grupos, aproximar pessoas de diferentes departamentos e melhorar as relações internas. Assim, a empresa melhora o clima organizacional e consolida o senso de equipe.

Por outro lado, existem alguns desafios para a implementação de um espaço interno de ginástica, como:

Custos de construção e manutenção. Antes de montar uma academia interna é bom dar uma olhada no valor do metro quadrado na região. Segundo os dados da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC), o Custo Unitário Básico de Construção por metro quadrado médio no Brasil é de 1.410 reais, mas esse montante pode passar – e muito – nas grandes capitais e nos bairros mais centrais. Além do preço do espaço físico, há de se considerar o dinheiro gasto para comprar os equipamentos e demais acessórios usados nas atividades físicas. A estimativa é de que a empresa irá gastar inicialmente entre 50 mil reais a 100 mil reais. Além disso, é recomendado que a academia seja de uso gratuito ou subsidiado.

Espaço limitado. É recomendado que a academia tenha um tamanho mínimo para atender o número total de funcionários. Porém, muitas vezes esses locais ficam restritos aos colaboradores que trabalham naquele escritório, deixando de atender todos os trabalhadores da empresa.

Trabalho para o RH. Para a implementação de uma academia, é preciso considerar a carga de gestão que isso acarretará para o RH. O gerenciamento do uso da academia, a contratação de profissionais como personal trainer e o investimento em programas para atrair os colaboradores, por exemplo, não podem ser ignorados.

Desconto em academia

Fechar um acordo com uma unidade ou uma rede de academias, permitindo que os funcionários tenham descontos na mensalidade, também traz algumas vantagens e desvantagens. Entre os pontos positivos, podemos destacar:

RH livre de trabalho. Aqui, o único trabalho do RH é buscar um parceiro e fechar o desconto. Isso livra o RH de tarefas operacionais, como cuidar da manutenção e da administração do espaço de ginástica, além da administração dos fornecedores, professores, horário de aulas etc.

Sem custo inicial. Em comparação com construir uma unidade internamente, o desconto em academia elimina o alto investimento inicial do projeto, uma vez que a empresa não terá de construir a área nem comprar equipamentos – e muito menos terá de se preocupar com o custo do metro quadrado.

Já as principais desvantagens desse modelo são:

Opções limitadas. Os funcionários só têm desconto nas unidades que fizerem acordo com a empresa, muitas vezes limitadas à região próxima ao escritório. Isso também significa pouca variedade de modalidades esportivas – e nem todo mundo gosta de praticar os mesmos esportes.

Baixo engajamento. Geralmente, as empresas promovem pouco o desconto em academias, e não seguem nenhuma estratégia para incentivar ou acompanhar o uso. Fora isso, mesmo com o desconto (geralmente entre 10% a 20%), o preço da mensalidade pode não ser acessível a todos os funcionários, dificultando a adesão.

Benefício de academia

Uma alternativa mais moderna para o RH é oferecer a atividade física como um benefício. Esse modelo traz várias vantagens, como:

Maior engajamento. Um fornecedor de benefício de academia consegue oferecer mais modalidades esportivas, uma vez que mantém uma ampla rede de parceiros. Além da tradicional musculação, há dança, artes marciais, ioga, natação, entre outras atividades. A possibilidade de o trabalhador encontrar uma atividade de seu interesse e de largar a vida sedentária é maior. Com isso, o RH também demonstra que se preocupa com a diversidade – e que busca atender os variados tipos da organização.

Flexibilidade. O parceiro de benefício de atividade dá aos funcionários a liberdade de escolher onde e quando praticar as atividades físicas. O usuário pode optar um dia por uma aula perto de casa e, no seguinte, por algo perto do trabalho; pode fazer em sua cidade de residência ou em outra, durante uma viagem, por exemplo. 

Baixo custo. Ao contratar um benefício corporativo de atividade física, a empresa paga uma taxa baseada no número de funcionários e no perfil das academias que poderão ser usadas. Além de ser um ótimo custo-benefício para a corporação, o incentivo não gera grande impacto na carga de gestão do RH. Do lado do funcionário, ele pode escolher um plano que caiba em seu bolso. Dessa forma, o acesso à atividade física se torna mais democrático.

Mas tão importante quando os meios oferecidos é criar uma cultura de bem-estar na empresa. Para que o benefício de academia traga resultados, o RH também deve apostar em uma prática constante de saúde, implementando ações que estimulem alimentação saudável e a boa qualidade de vida. Aqui, as dicas são:

  • Realizar ações preventivas de saúde e segurança no trabalho; 
  • Estruturar programas de conscientização sobre hábitos saudáveis dentro e fora do ambiente corporativo;
  • Promover campanhas temáticas, por exemplo, contra o tabagismo e o alcoolismo, dentre outras.

Ao seguir esses passos, a companhia verá uma mudança interna, com os times mais motivados a praticar atividade física, se alimentar corretamente e manter hábitos saudáveis. O resultado é ter colaboradores mais satisfeitos, conectados e produtivos – o que contribui para a redução de turnover e a retenção de talentos.

(Visited 124 times, 1 visits today)

Comments

comments