É importante saber conduzir seus funcionários, de modo que eles não se deixem abater e mantenham um bom ritmo de trabalho dentro da empresa. Uma das formas de conseguir bons resultados é reavaliando o programa de benefícios que está sendo oferecido aos seus colaboradores.

Afinal, ao se sentir beneficiado pela empresa, o funcionário também se sente mais animado para o trabalho, consciente de que ela garante sua sobrevivência e segurança.

Confira abaixo alguns indícios de que é o momento certo para rever o programa de benefícios corporativo e não deixar a desmotivação afetar negativamente o rendimento de sua equipe!

1 – Problemas de saúde generalizados

Se os funcionários estão sofrendo, de modo geral, com problemas de saúde, esse é um dos principais sinais de que é preciso rever o programa de benefícios. Afinal de contas, trabalhar com a saúde abalada é mais difícil e, ainda que o funcionário deseje desempenhar bem suas atividades, nem sempre isso é possível.

Os problemas de saúde podem afetar tanto o funcionário como membros de sua família e isso repercute de forma negativa na produtividade. A saúde será sempre uma prioridade para as pessoas e quando ela se encontra abalada, a desmotivação é inevitável.

O próprio funcionário pode estar enfrentando uma doença grave ou persistente, ou isso está acontecendo com sua esposa, com um de seus filhos, com sua mãe ou seu pai, por exemplo. O gestor deve estar ciente de tudo que vem acontecendo e prestar assistência no que for possível para minimizar essas consequências na vida de seu colaborador.

2 – Falta de reconhecimento profissional

Outro sinal de desmotivação e da necessidade de otimizar o plano de benefícios da corporação é quando o funcionário se sente sem o devido reconhecimento profissional. Isso pode acontecer, por exemplo, quando ele é obrigado a efetuar as mesmas atividades repetitivamente. Claro que a rotina faz parte de qualquer trabalho, mas quando faltam os desafios e as novas oportunidades, o profissional pode se sentir em desvantagem.

De acordo com pesquisa, para 26,3% dos profissionais entre 43 e 49 anos, a falta de reconhecimento profissional é o principal fator de desmotivação para o trabalho. Isso também foi apontado por profissionais entre 21 e 28 anos (22,8%), entre 29 e 35 anos (18%) e entre 36 e 42 anos (19%).

Para modificar essa situação, o gestor deve avaliar pontos como:

  • Possibilidades de crescimento dentro da empresa
  • Recompensa aos bons profissionais (elogios, prêmios)
  • Possibilidade de determinados funcionários integrarem um projeto, liderarem uma equipe ou fazerem qualquer outra atividade relevante
  • Oportunidades de transferência de um para outro cargo
  • Contínua avaliação do desempenho de cada profissional

3 – Clima pesado no ambiente de trabalho

Trabalhar em um clima pesado e desagradável, sem dúvida, é um grande desmotivador. O gestor precisa ficar atento ao modo como se desenvolvem as atividades dentro da empresa. Em alguns casos, o clima pode estar pesado para um funcionário, por problemas pessoais, sendo mais uma questão particular. Nesse caso, o gestor e os colegas podem até tentar ajudá-lo, conversando com ele e procurando distraí-lo e motivá-lo.

Quando o clima pesado é da própria empresa, o gestor pode tentar tomar algumas atitudes, modificando inclusive o cenário, ou seja, deixando o ambiente mais convidativo e alegre, com uma cara nova: móveis novos, pintura dinâmica nas paredes, recorrer à decoração e assim por diante. O setor de RH poderá ser muito útil para desenvolver iniciativas que amenizem essa situação.

A tendência é que os ambientes de trabalho nas empresas tornem-se cada vez mais interativos, de modo a permitir que o colaborador se sinta mais à vontade e desempenhe com mais naturalidade as suas funções.

4 – Insatisfação com salários e programa de benefícios

O salário, bem como os benefícios, pode ser um dos maiores estimulantes para o funcionário. Salários abaixo da expectativa podem gerar insatisfação e falta de vontade para trabalhar. Entretanto, para evitar possíveis decepções, os profissionais devem se certificar antes de aceitar o emprego e de como funciona o programa de benefícios e de salários da empresa.

O salário alto, para muitos profissionais, corresponde ao reconhecimento de seu trabalho. Mas nem sempre é possível agradar todas as expectativas. O importante é que o gestor esteja mais consciente de que está pagando o salário merecido a cada funcionário e planejar aumentos regulares (no mínimo, 1 aumento anual).

5 – Rotina marcada pelo silêncio

Quando a equipe trabalha mergulhada em silêncios contínuos, pode ser sinal de desmotivação. O silêncio persistente indica que a equipe está desmotivada, já que os funcionários não trocam ideias, não se divertem, não interagem em busca de melhores resultados.

Em um ambiente de trabalho saudável, deve sempre existir diálogos, animação, troca de ideias, compartilhamento. As funções e setores de uma empresa dependem do fluxo de informações e, quando ele não acontece, a produtividade cai bastante e o resultado final também é de qualidade inferior.

6 – Rotina marcada por conversas ininterruptas

O oposto da situação descrita no tópico anterior também é um sinal de desmotivação da equipe. Muita conversa, distração, piadas e brincadeiras, interferem na boa produtividade das tarefas de rotina.

Se os colaboradores não se interessam mais em executar suas atividades, dedicando maior tempo à distração e a conversas fúteis, é porque não têm motivação para trabalhar. É hora, portanto, de agir, procurando entender o motivo da dispersão no ambiente de trabalho, se existe alguém responsável pelo comportamento ou se, de fato, toda a equipe partilha igualmente dessa rotina muito agitada.

7 – Reuniões que começam sempre atrasadas

Se as reuniões só começam atrasadas porque a maioria dos funcionários só chega atrasada, é razão para se preocupar. Se eles não assumem responsabilidade com seus compromissos, significa que perderam o interesse no trabalho ou mesmo no emprego, não estão preocupados em manter um ritmo eficiente de produtividade, não se interessam pelo que diz o gestor, e nem pelas medidas que devem ser tomadas durante as reuniões.

8 – Perda dos melhores funcionários

Se os funcionários mais competentes e qualificados estão deixando o emprego, é sinal de que não existe mais motivação para trabalhar. Perder bons funcionários pode ser muito prejudicial para a empresa e cabe ao gestor e setor de RH impedir essa saída, identificando o porquê do abandono.

Caso seja preciso, poderá mesmo aumentar o salário, oferecer mais benefícios, como gratificações anuais, planos de saúde ou odontológicos, seguros de vida, auxílio previdência e assim por diante.

E você, já percebeu alguns destes sinais na rotina de seus funcionários? Que tal rever o programa de benefícios corporativo da sua empresa? Compartilhe com a gente nos comentários!

Siga o Gympass no LinkedIn e acompanhe as próximas novidades 🙂

ebook_saiba_como_renegociar_um_plano_de_saude_corporativo

reduzir_custos_comsaude_sinistralidade_absenteismo

(Visited 357 times, 2 visits today)

Comments

comments

This post is also available in: América Latina (MX, CL, AR) Deutschland España France Italia Nederland United Kingdom United States