Você não conhece o nível de satisfação de seus funcionários com a empresa? Então é melhor correr e investir agora mesmo em uma pesquisa de satisfação interna!

Isso porque colaboradores satisfeitos trabalham com mais foco e comprometimento com os resultados, o que, com certeza, alavancará sua empresa no mercado, garantindo mais lucros e maior competitividade.

Se a satisfação dos funcionários com o local de trabalho não fosse algo importante, não existiriam tantos sites especializados em carreira e consultorias realizando rankings e listas das melhores empresas para se trabalhar.

Great Place to Work, por exemplo, mostrou que em 2015, enquanto a economia do Brasil já apresentava claros sinais de patinação com queda no PIB de 3,8%, as empresas listadas em seu ranking conseguiram aumentar o lucro e o faturamento em cerca de 14%.

O segredo desses números impressionantes? De acordo com o site, essas empresas colocaram o RH em suas estratégias de negócios e investiram na gestão de indicadores de desempenhoprodutividade satisfação.

Ficou interessado em entender mais sobre esse assunto, em especial sobre a pesquisa de satisfação interna? Então aproveite este post completo que preparamos com tudo o que você precisa saber. Confira!

1. A importância da pesquisa de satisfação interna

Antes de tudo, você deve saber que a pesquisa de satisfação interna é a base mais sólida que os gestores podem encontrar para executar mudanças na estratégia de gestão de pessoas na empresa.

Por meio dela, é possível saber com profundidade como os colaboradores se sentem em relação ao trabalho e como isso afeta suas rotinas.

Os resultados obtidos com esse tipo de pesquisa permitem analisar não apenas o clima organizacional, mas, também, a avaliação dos funcionários em relação às instalações da empresa, equipamentos disponíveis, carga horária de trabalho, benefícios e, até mesmo, fatores psicológicos, como possíveis assédios por parte da chefia ou então pressões exaustivas para bater metas.

Além de entender com mais exatidão o que deve ser melhorado internamente, a pesquisa de satisfação é uma forma de mostrar aos colaboradores que a empresa se importa com eles e que deseja criar um ambiente produtivo e agradável para todos.

2. Os 8 benefícios práticos da pesquisa de satisfação interna para a empresa

Muitas empresas ainda não aplicam esse tipo de pesquisa simplesmente por não conhecerem seus maiores benefícios.

Por isso, listamos abaixo os 8 mais importantes para mostrar como essa é uma ferramenta fundamental para os negócios. Veja:

1. Aumento da produtividade

Somente com a aplicação da pesquisa já é possível notar uma mudança significativa nos colaboradores, que passam a se sentir mais valorizados e motivados.

Ao dar a oportunidade de eles expressarem suas preocupações e, ainda mais importante, agir rapidamente em cima dos problemas levantados, a empresa consegue uma maior dedicação e comprometimento. O resultado disso tudo é refletido no aumento da produtividade.

2. Menor rotatividade de funcionários

No Brasil, de acordo com o Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos), a rotatividade voluntária de trabalhadores nas empresas é de cerca de 25%. Ou seja, um quarto do total da força de trabalho é perdida a cada ano.

Essa rotatividade impacta diretamente nos custos da empresa, que terá de arcar com rescisões, seleção de novos funcionários e treinamentos.

O pior de tudo é que todo o conhecimento adquirido pelos trabalhadores que pedem demissão se esvai, o que resulta em perda de competitividade em um mercado tão acirrado como o brasileiro.

Ao implementar ações que melhorem o clima organizacional, os gestores conseguem reduzir as saídas voluntárias para 11% e aumentar a atratividade da empresa, o que resulta na retenção de talentos.

Essas ações só podem ser implementadas corretamente se for realizada uma boa pesquisa de satisfação interna.

3. Descoberta de problemas não tão evidentes

Que atire a primeira pedra o gestor que nunca deixou escapar um problema em meio à correria e à grande quantidade de trabalho do dia a dia.

As pesquisas de satisfação interna são excelentes ferramentas para descobrir esses problemas, mas isso só ocorrerá caso elas ofereçam a oportunidade dos colaboradores responderem de maneira anônima.

Dessa forma, problemas polêmicos virão à tona mais facilmente e poderão ser identificados e resolvidos de maneira rápida. Isso evitará a insatisfação dos funcionários e, consequentemente, os pedidos de demissão.

4. Melhor reputação no mercado

Trabalhadores satisfeitos são mais propensos a falar bem da empresa e também costumam atender melhor os clientes e fornecedores.

Segundo a Great Place to Work, a empresa que cuida bem de seu funcionário consegue que ele, por sua vez, também cuide bem do cliente. E isso impacta diretamente no índice de satisfação dos consumidores, que pode chegar a ser cerca de 3% maior na comparação com companhias que não adotam estratégias para melhoria do clima organizacional.

5. Menos custos e mais investimentos

Como já falamos, ao reduzir a rotatividade dos colaboradores, a empresa também consegue reduzir os gastos com rescisões, seleções e treinamentos.

O mesmo acontece com os clientes que, quando bem tratados, tendem a ser mais fiéis à marca, o que resultará em redução de custos com marketing e, até mesmo, maior poder de negociação com fornecedores.

É importante lembrar também de que empresas com boa reputação no mercado atraem mais investimentos e, portanto, conseguem resistir a crises mais facilmente.

6. Alinhamento da cultura organizacional

Outra principal contribuição da pesquisa de satisfação interna é descobrir se há um alinhamento entre a cultura organizacional e as ações da empresa.

Essa cultura deve estar alinhada aos objetivos maiores da organização e, por meio da pesquisa, é possível identificar quais são as mudanças culturais mais necessárias de serem implementadas.

7. Integração de processos e áreas

Além de auxiliar no crescimento individual de cada profissional, os dados levantados com a pesquisa possibilitam o desenvolvimento coletivo não só de uma equipe ou grupo, mas de toda a organização, ao cruzar áreas e atividades diferentes como marketing, finanças, recursos humanos, relações públicas, entre outras.

8. Otimização das ações de RH

pesquisa de satisfação interna também serve como uma ferramenta para ajudar a priorizar quais serão as primeiras ações a serem desenvolvidas pelo RH.

3. O momento ideal para aplicar a pesquisa

Essa é uma pesquisa que deve ser aplicada periodicamente, pelo menos uma vez por ano.

Porém, caso a gestão perceba alguns indícios, como os que listamos abaixo, é preciso tomar providências, sendo que a primeira delas é a realização da pesquisa de satisfação interna.

Faltas

queda de assiduidade do trabalhador é um dos principais sintomas de que algo não vai bem no clima organizacional da empresa. Por não se sentir motivado, qualquer desculpa é suficiente para o funcionário ficar em casa.

Atrasos e saídas antes do horário

É um sintoma bastante parecido com o anterior. O colaborador faz o possível para passar o menor tempo dentro do ambiente de trabalho.

Pedidos de demissão

Não pense que períodos de crise inibem a saída voluntária do colaborador. Se as condições de trabalhoestiverem insuportáveis, com falta de reconhecimento dos chefes e problemas de relacionamento com colegas, ele optará por sair da empresa, o que pode acarretar em aumento de custos e a perda de um importante talento.

Afastamentos e licenças médicas

Se o trabalhador começar a adoecer com mais facilidade, é sinal de que o estresse ou outros fatores do ambiente de trabalho estão afetando sua saúde.

Reclamações dos clientes

Funcionário insatisfeito normalmente desconta essa insatisfação nos consumidores, que sofrem com a falta de paciência e compromisso, o que resultará em muitas reclamações.

Retrabalho

Falhas frequentes acarretam em perdas e muito retrabalho, o que impactará diretamente no desperdício de tempo e dinheiro.

Reclamações dos funcionários

As reclamações dos funcionários também são um sinal de que as coisas não vão bem no ambiente de trabalho. E elas podem ser referentes tanto aos colegas entre si, como aos superiores.

Clima pesado

Fofocas e conversas no corredor são indício de que o clima está pesado. É importante observar o que pode estar motivando esse comportamento.

Portanto, fique atento a esses sintomas e não espere a situação ficar insustentável para recorrer à pesquisa de satisfação interna. Ela o ajudará a descobrir o que está errado e quais são as possíveis causas do problema.

4. Os 5 passos para aplicar a pesquisa na empresa

Aplicar corretamente a pesquisa de satisfação interna é um dos fatores decisivos para que ela seja um sucesso e traga dados importantes para a tomada de decisões que afetarão a produtividade, o engajamento e a inovação da empresa.

Por isso, preparamos um passo a passo para ajudá-lo a aplicar a pesquisa na sua organização. Confira as 5 etapas:

1. Pense no foco da pesquisa

Direcione o foco da pesquisa para um cenário futuro e use como base assuntos que sejam de interesse do público-alvo. Fique atento também para saber se há algum problema específico que deve ser abordado de forma mais intensa.

Lembre-se de que ao responderem a pesquisa, os funcionários esperarão que suas respostas sejam levadas a sério e isso poderá gerar uma alta expectativa com os resultados.

2. Elabore o questionário

Elabore o questionário e escolha qual será o método de avaliação das respostas, o tratamento estatístico e os instrumentos de avaliação.

Não se esqueça de, ao montar o questionário, alinhar as perguntas com o foco da pesquisa. Formule questionamentos claros e objetivos, que propiciem o uso das respostas como base para a aplicação de ações de melhorias no futuro.

Há diversas maneiras de formular um questionário. Entre as mais comuns, está disponibilizar perguntas que ofereçam apenas poucas possibilidades de respostas, como “sim”, “não” e “talvez”. Por exemplo:

  • Meu desempenho profissional é avaliado adequadamente por meus superiores?

Os questionários com diversas alternativas de resposta também devem ser considerados como uma opção:

  • Qual seria o principal fator que traz mais satisfação ao seu trabalho?
  • (  ) ambiente da empresa
  • (  ) remuneração
  • (  ) benefícios
  • (  ) estabilidade
  • (  ) outros

As perguntas devem se concentrar em todos os aspectos que envolvem os colaboradores e isso inclui desde questões sobre a gerência, passando por benefícios e até mesmo sobre a estrutura oferecida pela empresa.

Por esse ser um passo mais especializado da aplicação da pesquisa de satisfação interna, é interessante contar com a ajuda de profissionais experientes na área de RH.

3. Informe sobre a pesquisa aos funcionários

Faça uma reunião para informar aos funcionários sobre a realização da pesquisa de satisfação interna. Explique os objetivos e fale sobre a importância das respostas. É importante que os colaboradores saibam que suas opiniões farão diferença dentro do ambiente de trabalho.

Estabeleça uma data para início e fim da aplicação da pesquisa e outra para a divulgação dos resultados. Além disso, envie e-mails periodicamente para lembrar aos funcionários sobre a importância da pesquisa e o prazo final para respondê-la.

Opte por disponibilizar o questionário online para facilitar o acesso dos colaboradores e garantir que as respostas sejam anônimas, o que resultará em mais credibilidade e maior adesão.

4. Trabalhe os resultados

Ao analisar os resultados obtidos, estabeleça prioridades baseadas na atual situação econômica da empresa e também na sua missão, visão e valores.

Caso seja possível implementar algumas das melhorias sugeridas pelos colaboradores, as coloque em prática sem esperar muito tempo. Ao fazer com que os resultados apareçam logo, não vai demorar para o ambiente de trabalho ficar mais agradável. Com isso, a empresa sentirá todos os benefícios já citados anteriormente.

5. Faça um relatório final

O relatório final deve mostrar de maneira clara e objetiva qual problema foi detectado, sua gravidade e quais medidas serão tomadas pela empresa para reverter essa situação.

5. Os 5 erros que você não pode cometer em pesquisas de satisfação interna

Por ser a principal ferramenta para descobrir a satisfação dos funcionários, a pesquisa deve ser realizada com muita atenção para evitar erros como os 5 que citaremos a seguir:

1. Linguagem inadequada

O uso de linguagem técnica é algo que pode comprometer os resultados da sua pesquisa de satisfação interna. Lembre-se de que provavelmente ela será aplicada em diferentes setores da empresa e que nem todos têm conhecimentos de termos técnicos.

2. Erros de gramática e ortografia

Faça uma revisão minuciosa para evitar erros de ortografia e gramática que podem comprometer a credibilidade da pesquisa.

3. Questionário muito longo

É realmente necessário incluir todas essas perguntas no questionário? Será que ele não ficará muito longo e cansativo e desmotivará os funcionários a respondê-lo?

4. Falta de confidencialidade

Para serem 100% sinceros em suas respostas, os colaboradores devem ter a certeza de que podem expressar suas opiniões sem precisarem ficar com medo de represálias. Portanto, o melhor é que o questionário possa ser respondido anonimamente.

5. Perguntas tendenciosas

Ao elaborar as perguntas, tenha certeza de que você não está levando os respondentes a dizerem só aquilo que a empresa quer ouvir.

Esse cuidado também vale para as respostas, que devem cobrir todas as alternativas possíveis e garantir que as questões sejam respondidas com honestidade.

6. Pesquisa de satisfação interna em pequenas empresas

Engana-se quem pensa que essa importante ferramenta é válida apenas para grandes companhias, que possuem dezenas ou milhares de funcionários.

Não importa se uma empresa é grande ou pequena. A partir do momento em que ela passa a contar com a ajuda de profissionais, ela precisará estar atenta ao índice interno de satisfação.

Ouvir os colaboradores é uma premissa de qualquer organização, já que eles são o coração da empresa.

Muitas pequenas empresas só focam nos clientes, estratégias, modelos de negócios, entre outros pontos como esses que sabemos que são fundamentais. Porém, elas acabam deixando de lado as pessoas, que são as peças essenciais para que toda a engrenagem do negócio funcione.

Ao colocar os funcionários no centro das estratégias e passar a considerá-los como prioridade, sua empresa atingirá um melhor alinhamento e terá muito mais chances de alcançar o sucesso.

7. Resolvendo as 6 principais reclamações

É claro que cada pesquisa de satisfação interna tem suas particularidades. Porém, há algumas reclamações bastante comuns em diversas empresas.

Para ajudá-lo, separamos 6 delas e as possíveis soluções que podem ser implementadas. Confira!

1. Falta de comunicação

Vá além da pesquisa e abra um canal de comunicação com os funcionários, de preferência que esteja disponível o tempo todo.

Incentive os gestores a falar com os colaboradores, ouvir suas ideias e receber feedbacks. Essas atitudes simples deixarão todos mais confortáveis e irão melhorar o ambiente de trabalho.

2. Poucos benefícios

Oferecer apenas os benefícios obrigatórios por lei, como o vale-transporte, pode não ser suficiente.

É de reconhecimento no mercado de trabalho que os profissionais preferem trabalhar em empresas que fornecem bons planos de benefícios.

Inclusive, esse é um item mais valorizado do que o próprio salário. Uma pesquisa da Love Mondays, por exemplo, revelou que os benefícios corporativos são os campeões na preferência dos profissionais.

Portanto, as empresas que se atentam à importância da gestão dos benefícios corporativos saem na frente e garantem colaboradores mais satisfeitos.

Além dos tradicionais planos de saúde, vale-alimentação e refeição, que tal oferecer também bolsas de estudo e programas que incentivem a prática de exercícios físicos?

3. Excesso de críticas negativas

Outra reclamação comum dos funcionários é o excesso de críticas negativas por parte dos chefes e gestores.

Agregada a isso, aparece a reclamação da falta de feedbacks construtivos e reconhecimento por projetos e tarefas bem desenvolvidos.

Para evitar a desmotivação, é importante elogiar e reconhecer os pontos positivos dos colaboradores. As críticas devem continuar a ser feitas, mas sempre de forma respeitosa, sem apenas apontar os erros, mas também oferecendo possíveis soluções.

4. Falta de um plano de carreira

Todo bom funcionário deseja crescer dentro da empresa e assumir mais desafios. Por isso, é fundamental que exista um plano de carreira que ofereça crescimento tanto vertical como horizontal.

Essa é uma das mais eficientes estratégias para reter talentos e desenvolver ao máximo o potencial dos profissionais.

Ao elaborar o plano de carreira, certifique-se de alinhar os interesses da empresa aos dos colaboradores. Dessa forma, ao mesmo tempo em que eles perseguirão o crescimento profissional, também estarão se capacitando para melhor desempenhar as funções dentro da companhia.

5. Baixa qualidade de vida

Ao contrário do que alguns gestores pensam, proporcionar qualidade de vida aos trabalhadores não é um gasto, mas, sim, um investimento.

Entre seus inúmeros benefícios, estão a ocorrência de menos doenças, menos estresse e mais disposição para as atividades do dia a dia.

Promova palestras sobre bem-estar e faça campanhas de incentivo para que os colaboradores se alimentem melhor e façam exercícios. Outras sugestões são oferecer um benefício voltado para a prática de exercícios físicos e realizar gincanas voltadas para a saúde.

6. Metas inalcançáveis

Estipular metas inalcançáveis aos trabalhadores resultará em falta de motivação e baixa produtividade.

Além disso, esse tipo de atitude pode ainda prejudicar a saúde e a vida familiar dos envolvidos, o que fará com que o índice de satisfação dos funcionários despenque cada vez mais.

Portanto, alerte os gestores sobre a importância de tomar cuidado ao definir metas que não sejam aquém e nem além da capacidade da equipe.

Conseguiu entender a importância que as pessoas têm dentro das organizações? Não é à toa que muitos especialistas afirmam que o capital humano é o maior ativo de uma empresa.

Portanto, no próximo planejamento estratégico, sua empresa deve colocar o investimento em gestão de pessoas entre as prioridades e buscar ações e ferramentas como a pesquisa de satisfação interna para ouvir e entender seus profissionais.

Lembre-se de que a satisfação dos funcionários é um dos principais fatores de impacto nas organizações, algo que exigirá atenção permanente.

Além de medir a satisfação dos colaboradores, uma boa pesquisa também oferecerá informações fundamentais sobre a empresa e suas práticas, sendo que várias delas não são percebidas pelos gestores no dia a dia.

Se bem utilizadas, essas informações resultarão em melhoria do ambiente organizacional, o que acarretará em diversos benefícios para a companhia como aumento da produtividade, menor rotatividade de funcionários e redução de custos.

Tudo isso fará com que a empresa se torne mais competitiva no mercado, garanta mais vendas, gere mais lucros e melhore sua reputação perante clientes e fornecedores. Qual organização não busca essas vantagens, não é mesmo?

Gostou deste guia sobre pesquisa de satisfação interna que preparamos para você? Então aproveite para seguir a nossa página no LinkedIn e acompanhe diversos conteúdos interessantes como este!

(Visited 4.429 times, 9 visits today)

Comments

comments